segunda-feira, 27 de junho de 2016

Homens precisam ser machos mas nunca machistas

Acabei de ler dois textos na Folha que me inspiraram a escrever este post.
O primeiro, capa do jornal, mostra que dois terços dos menores delinquentes entre 12 e 17 não tem um pai em casa. E que quase metade nem tem contato com o pai. Desculpem-me, femi-nazis, mas isso mostra uma grande verdade: que é importante, sim, a referência masculina na criação das crianças. Mas, por outro lado, isso também mostra dois pontos que precisamos cuidar, na criação e formação de nossas crianças:
1. para as meninas, precisamos ser ainda mais claros sobre a necessidade de responsabilidade, de não cair em papo de meninos e de se cuidar, prevenindo SEMPRE uma gravidez indesejada. Precisamos mostrar às jovens que sexo tem consequências e que precisa ser feito com total responsabilidade. E deixar claro às meninas que tem muito menino cafajeste e que elas não podem, JAMAIS, fazer algo que pode impactar para sempre a vida delas, baseadas em "promessas" de meninos. Não faz parte da matéria, mas é claro que não "apenas" os filhos abandonados tiveram seu futuro destruído, mas as mães "solteiras", certamente, vão ter muito menos chances de ter uma vida plena, de estudar, de conseguir um bom emprego, etc., graças à essa situação;
2. para os meninos, precisamos educá-los com a clara noção que filhos são responsabilidade deles também. E que a responsabilidade por prevenção não é só das meninas. Pais de meninos não podem ficar orgulhosos de verem eles "pegando todas" e, muito menos, passar a mão na cabeça daqueles que fazem filhos e não querem depois assumir a consequência de seus atos. Se o menino fez um filho, ele é TÃO RESPONSÁVEL quanto a menina e tem sim que arcar com as consequências desse ato.
Enfim, temos que pregar, desde cedo, que os jovens se responsabilizem pelos seus atos. E que PENSEM MAIS antes de fazer algo!

Em outra matéria, o grande Pondé, que muito admiro, cobra mais macheza dos homens. A boa macheza! Homens são mais fortes, foi a natureza que nos fez assim em milhões de anos de evolução. E se aprendemos, com a boa educação, que jamais deveríamos usar essa força com as mulheres, é óbvio que DEVEMOS usar essa força para defendê-las de agressores. Não podemos ignorar nossa força, nos pasteurizar em discursos politicamente corretos, quando o importante a ser feito, em certos momentos, é DEFENDER as mulheres de agressores. Há alguns meses "homens" alemães fizeram uma passeata vestidos de mulheres contra os estupros que as mulheres da sua cidade estavam sofrendo. Além de totalmente inócuo, esse tipo de protesto vai fazer os agressores seguirem com seus atos monstruosos, pois eles, representantes de uma cultura que acredita que mulheres são inferiores e devem ser submissas, cultura que defende que mulheres sozinhas na rua merecem ser estupradas, não vão dar a mínima para homens que se vestem de mulheres. Homens alemães que querem, de verdade, defender as mulheres, tem que acompanhá-las até em casa e, se necessário for, usar sua força contra os monstros que querem estuprar nossas amigas, mães, esposas e filhas. Ser macho, quando precisa ser, não é um ato de machismo, mas uma forma de mostrar que exigimos o respeito às mulheres e que elas podem contar conosco nisso! E mulheres inteligentes sabem que esse papo de "não precisamos de homens" é preconceituoso e sectário, não merecendo ser levado à sério. Todos precisamos de todos nesse mundo!

PS. me lembrei de meu tempo de graduação... Minha melhor amiga, uma linda japinha baixinha, sempre vinha me pedir companhia quando precisava sair de casa à noite, para ir na farmácia ou qualquer outro lugar. E eu a acompanhava, pois entendo que era minha obrigação como homem defender aquela menininha de monstros que andam pela rua...

Leia também
Esquerda usa as "minorias": gays, mulheres, negros
Estupro - a prevenção é importante!
Em defesa dos direitos reprodutivos das mulheres Amor e sexo 
O cinismo da sociedade: pedofilia
 
Homens sinceros e mulheres inteligentes
Ame e dê vexame
O amor não pode ser complicado
Quem te faz feliz?

A beleza da mulher
A beleza da mulher: sereia ou baleia?
A beleza tem que ser decantada: viva Paola!
As coxas e a Juliana Paes

domingo, 12 de junho de 2016

70 anos, careca e barrigudo

Há 70 anos atrás, em 12 de junho de 1946, lá nos altos do Douro, em Trás-os-Montes, nasceu um moleque. Ele era bravo, arteiro, namorador. Desde criança, ajudava na roça, chegou a literalmente quebrar pedra com pé-de-cabra para plantar parreiras. Cuidava de animais, plantava diversas coisas e até trabalhou na Adega da cidade, fabricando o incomparável vinho do Porto.
Em 1964 venho para o Brasil, com pouco estudo, nenhum tostão no bolso, mas muita vontade. Trabalhou em padaria, trabalhou como empregado na feira até que conseguiu, alguns anos depois, ter sua própria barraca. E seguiu na labuta pesada, carregando centenas de caixas de 20 ou mais kg, acordando de madrugada e só chegando do trabalho umas 14hs por mais de 40 anos. E foi nesse trabalho árduo, embaixo de frio, de chuva, ou de sol escaldante, que fez sua vida, construiu seu patrimônio e criou seus três filhos com o conforto que ele não teve na infância. E nunca vi, nesses 45 anos em que com ele convivo, ele lamentar ter trabalhado tanto. Pelo contrário, se eu aprendi alguma coisa com meu pai, foi de ter orgulho de conseguir as coisas com seu próprio esforço!
Com meu pai aprendi como as pessoas são preconceituosas, racistas. Como ele ficava triste quando percebia pessoas que criticavam "esse português" que vem para cá e fica "rico", tirando dos "brasileiros". Povo invejoso, povo injusto. O tal português é um ser humano como eles, que não teve nenhum privilégio na infância, que trabalhou desde muito cedo e que tinha uma rotina de esforço que nenhum daqueles que o invejavam encarariam: tudo o que meu pai conseguiu, qualquer pessoa de qualquer nacionalidade e qualquer raça, conseguiria, se trabalhasse pesado como ele por 40 anos. Mas tem muita gente nesse mundo, e hoje ainda mais, que prefere apontar o dedo e pedir privilégios, usando as desculpas as mais variadas e criticando quem conseguiu as coisas com seu próprio suor.
Com meu pai aprendi a lutar pelo sonho: eu vi ele, literalmente, perdendo os cabelos para conseguir levantar aquela linda casa que construiu para a família. Ele não só pagou, ele literalmente, depois de 12 ou mais horas na feira, ia lá na obra para ajudar a fazer seu sonho real.  E, no meio tempo, jogar um tijolo sem querer na cabeça do filho boboca :-D
Com meu pai aprendi muitas lições do mundo real. Não coisas bonitas, românticas, de um mundo cor de rosa. Mas a verdade da vida. As maldades das pessoas. Como devemos ser para sobreviver na selva que é o mundo. E como uso, e repasso, até hoje, seus ensinamentos nada politicamente corretos, somente corretos: "respeite quem te respeita", "quanto mais se abaixa, mais aparece o ...", e por aí vai...
Na minha infância havia a propaganda inesquecível: "não basta ser pai, tem que participar". E meu pai não era só pai, naquela visão antiga de provedor. Depois do trabalho pesado na feira, ele ainda achava energia para jogar bola, brincar de autorama ou de pingue-pongue comigo. Ele sempre arrumou nossas bicicletas, enchia os pneus, limpava o quadro, regulava as marchas. Meu pai, participava.
Com meu pai aprendi que se você quer ter algo, tem que economizar ao máximo e de toda a forma. E que temos que ter as coisas para nós, para nosso futuro, não para mostrar para os outros. Meu pai, jamais, foi um esbanjador: aprendi com ele que sempre temos que dizer que temos muito menos, para não despertar cobiça ou inveja. E sigo, direitinho esses ensinamentos financeiros.
Com meu pai aprendi que um pai prepara e confia em seu filho. Sempre que podia, eu ia com ele para a feira, porque aprendia muito. Ele me ensinou a fazer contas mais rapidamente, de cabeça. Ele  me ensinava, sempre, como pensava nos preços que ia cobrar e quais estratégias usava. Ele me explicava porque tinha comprado cada coisa. Ele me ensinava estratégias de vendas e marketing que hoje vejo consultores que cobram fortunas de multinacionais falando como se fossem grandes novidades. E, desde os 10 anos, ele confiava em mim para contar toda a féria (o faturamento), somar as compras e ver o resultado: quase virei contador por causa dessa experiência deliciosa que ele me proporcionou.
Com meu pai eu só não aprendi a derrubar corações. Seu sucesso com a mulherada, mesmo sendo humilde, mesmo estando sujo da feira, mesmo careca e barrigudo (mas com músculos que eu nunca cheguei perto), realmente sempre foi um mistério para mim. O que eu via de sorrisos de freguesas, olhos brilhando, etc., realmente era inacreditável. Ele não precisava fazer esforço: uma fala, um olhar, sei lá, já deixava a mulherada bamba :-D Sei que o frustrei por não ter sido seu sucessor nesse sentido, mas tudo indica que seu neto irá honrar o avô :-)
Bom, pai, o que eu posso dizer? Obrigado por tudo. Que bom que o senhor hoje pode comemorar seus 70 anos aí na sua terrinha, matando as saudades de Alijó, de Presandães, e daqueles nomes engraçados que os Borges adoravam ficar falando nos encontros da família no chalé dos avôs. Aproveite muito, porque o senhor fez por merecer cada prazer que hoje tem. E muitas felicidades nos próximos 70 anos que vem por aí :-)

Veja também:
Pai Herói
Um simples português
Homenagem à família Borges
Viva Portugal e Lembranças alimentares da terrinha
Boas memórias de natal

Uma bela história de amor entre pai e filho: Gonzaga

À minha mãe e 61 piscadas  e Mamãe, mamãe, mamãe
Minha eterna companheira de aventuras
Ud 90 - telegráficoUd 90 - Vídeos
Saudades do Vô Renato 
9 X 70! Dois números incríveis e um enorme parabéns
Homenagem à um tiozão gente finíssima

sexta-feira, 20 de maio de 2016

A verdade sobre esquerda e direita

Vivemos sempre a nos posicionar politicamente como sendo de direita ou esquerda. Mas, hoje, essa divisão dicotômica só serve para quem usa a confusão para se promover. Não, não existe uma definição minimamente lógica entre direita e esquerda.
Se você quer se posicionar politicamente, precisa escolher entre as questões abaixo:
1. ser democrático radical, sempre com governos eleitos pelo povo de forma constante, liberdade de imprensa e de expressão, ou aceitar ditaduras;
2. priorizar liberdade, com um estado pequeno que deixa as pessoas correrem atrás, ou priorizar um estado forte e centralizador, que define o que é melhor para cada um;
3. priorizar a responsabilidade financeira do estado, que não deve gastar mais do que ganha, ou priorizar gastos do estado.
Além disso, há as questões morais, que são importantes e muito particulares de cada um. É a favor do aborto, da pena de morte? Luta contra preconceitos? É contra desonestidade, corrupção? Etc., etc.
Cada um de nós tem que fazer suas respostas e escolher o partido/representante que mais se alinha com essas escolhas. 
Ao aceitarmos que existe direita e esquerda, caímos na armadilha marxista, que já "aparelhou" essa discussão com um monte de mentiras, que de tão repetidas, hoje nem mais são questionadas:

1. Não é verdade que a direita é conservadora e a esquerda progressista:
1.a. se olharmos do ponto de vista econômico, a esquerda se baseia em uma ideologia absolutamente teórica escrita há dois séculos, em um mundo absolutamente diferente do de hoje em dia. O liberalismo econômico tem excelentes pesquisadores da atualidade com pesquisas muito bem embasadas;
1.b. se olharmos do ponto de vista de preconceito, a liberdade feminina, a luta contra a escravidão e dos direitos dos gays nasceu e floresceu nas grandes potências econômicas capitalistas. O capitalismo não se preocupa com questões morais... Na China o machismo é enorme, Cuba é uma ditadura de brancos que submete um povo negro e que colocava no paredão os homossexuais;
1.c. associar questões religiosas à direita é uma grande mentira: o PT, por exemplo, tem forte ligação com a base da igreja católica. E o que não faltam são liberais econômicos ateus;
1.d. se olharmos do ponto de vista da democracia, nunca houve um governo marxista democrático. E as maiores democracias do mundo são, também, mais liberais.

2. Também não é verdade que a esquerda cuida do povo e a direita dos ricos: onde o povo pobre tem melhor qualidade de vida: nos EUA ou em Cuba? Onde se explora mais o trabalhador: na Inglaterra ou na China? O liberalismo não prega riqueza para poucos, mas sim que um governo que não atrapalha a economia, dá mais oportunidades de crescimento para todos. Liberais se preocupam tanto com o povo pobre quanto aqueles que acreditam em um estado grande. São apenas visões econômicas diferentes. O inteligente seria avaliar o que cada lado tem de bom, mas os que se dizem de esquerda tentam demonizar tudo o que não é eles mesmos, para se colocar como os "salvadores", o que é tudo, menos democrático.

Enfim, é importante que cada um tenha suas opções políticas, construídas com base em seus princípios e valores. Sem se deixar levar por essa falsa dicotomia direita X esquerda, que só interessa àqueles que ganham prestígio com essa mentira.  Sê você acredita que um partido representa exatamente tudo que você pensa, ou você criou o seu partido ou você está se deixando ser influenciado. Faça suas escolhas pessoais, não se deixe levar pelos profetas políticos!

PS. apresento aqui minhas escolhas, só para me posicionar.
1. sou democrático radical: sou contra até reeleição. O governo tem que ser eleito por voto universal, democraticamente, há cada X anos (4, 5, 6). Qualquer um que defenda qualquer ditadura, não terá meu voto;
2. não acredito em estado mínimo, em especial em um país com tantos pobres como o nosso. Mas também não vejo nenhum progresso social em ter um estado gigante como o nosso, que tira com impostos dinheiro dos trabalhadores mais humildes e paga salários e direitos totalmente diferenciados para um grupo privilegiado no poder. Defendo saúde e educação públicas gratuitas de qualidade.  Mas não quero um estado na área produtiva, porque só atrapalha, é ineficiente e ineficaz. Acredito que o estado precisa ajudar os mais humildes, mas não criando dependência, e sim gerando oportunidades
3. sou totalmente contra irresponsabilidade financeira. O governo não pode gastar mais do que ganha. E se deve, tem que pagar.
4. E quanto a questões morais, minhas escolhas mostram o quanto esquerda e direita são apenas para confundir. Sou contra o aborto (direita?), mas contra a pena de morte (esquerda?). Sou pela liberdade de opção sexual e respeito ao diferente (esquerda?), mas contra a ideologia de gênero (direita?). Sou contra qualquer tipo de racismo (esquerda?), mas contra as cotas (direita?). Sou a favor de um estado laico (esquerda?), mas defendo o respeito às opções religiosas individuais (direita?) E, lógico, sou contra a corrupção! (temos exemplo no Brasil de pessoas ditas de direita - Rouba mas faz - e de esquerda - hoje é óbvio - que acham que corrupção é aceitável).

Leia também
O golpe das elites
Marxismo: a ideologia reacionária que leva o mundo para trás
Esquerda usa as "minorias": gays, mulheres, negros...
A pior religião da história
Marxistas: seres do mal
Eles são o mal, o lado negro da força!
Por que o socialismo não dá certo?
O grande "legado" da esquerda ao Brasil!
As misérias de Marx

O golpe das elites

Tenho origem humilde. Venho de família trabalhadora, que não "herdou" nada. Tudo o que conseguimos, o que comemos, o que vivemos, veio do suor do trabalho dos meus avós, dos meus pais e agora, da minha geração. E por saber o quanto é difícil "ser do povo", por saber que "aqui embaixo as leis são diferentes", sempre me preocupei em defender os mais humildes.
O Brasil, até a redemocratização, não tinha nenhuma preocupação social. O Delfim adorava pregar que primeiro vamos crescer o bolo, para depois dividir. Mas com as diretas já a pauta "povo" veio para a boca dos políticos. A constituição de 88, o crescimento dos partidos mais sociais, o fim da inflação e o crescimento da economia e das oportunidades profissionais, tudo caminhava nesse sentido.
Mas aí veio o golpe. O golpe das elites. As elites não se contentam com pouco. Elas querem mais e mais. E, para isso, fazem qualquer coisa. Qualquer coisa mesmo, mesmo coisas que prejudiquem os mais humildes. E para isso comprou o congresso com mensalões, petrolões, corrupções em nível nunca antes visto.
Hoje vivemos em um país no qual o emprego é raro, no qual 12 milhões não tem trabalho. Para quem ainda tem trabalho, uma inflação galopante corroí os salários como não acontecia desde Collor. A saúde está em crise, como nunca antes na história deste país: já se fecharam mais de vinte mil leitos. A educação segue em franca decadência, com verbas escassas e planos que tentam tirar ainda mais conteúdo da escola das crianças. A segurança piora a olhos vistos, a violência virou a rotina em qualquer ponto deste país. E é o mais pobre que depende de saúde e educação públicos, e que não tem como se proteger da violência. Não bastasse isso, os salários perdem valor real a cada dia e a desigualdade social cresce como não acontecia há décadas. A elite segue, como faziam no interior no nordeste os piores coronéis, mantendo o povo inculto e pobre, pois assim é mais fácil controlá-lo e enganá-lo, comprando seus votos com esmolas. A elite jamais quis dar emprego decente para todos, pois pessoas bem empregadas, com boa saúde, educação e alimentação de qualidade, tendem a pensar por conta própria, a não aceitar submissão aos poderosos.
Para se manter no poder, a elite aplicou um grande golpe na última eleição: mentiu como nunca antes na história do Brasil. A elite se elegeu usando dinheiro roubado das empresas públicas, empresas que agora estão a beira da falência. A elite se elegeu usando de forma desonesta os Correios, os bancos públicos. A elite se reelegeu fazendo um pacto com a área mais conservadora do país, com os políticos mais corruptos e desonestos, sem o apoio dos quais não teria jamais ganhado a eleição.  A elite disse que os outros iam fazer o que ela mesmo fez no dia seguinte ao fim da votação, ações que só prejudicaram ainda mais a vida dos humildes, para os quais essa elite jamais olhou com carinho.
A elite que segue fingindo não ver o caos em que o país mergulhou, que segue vivendo bem, comendo bem, sem sentir os efeitos da crise que seu governo criou é:
- a elite de funcionários públicos, que não teme o desemprego, que não depende da economia crescer, que não aceita aumentos menores que a inflação, que pode fazer greves sem nenhum tipo de punição e que ganha, em sua maior parte, excelentes salários, muito acima do mercado;
- a elite de artistas que ganha milhões para produzir uma arte que só ricos tem acesso, porque apesar de subsidiada pelo governo, ainda cobra ingresso muito alto;
- a elite universitária, de universidades públicas, que sempre quer mais direitos, mais verbas, mais investimento em seu mundinho, mesmo que, para isso, não sobre dinheiro para investir na educação básica, onde o pobre de verdade está;
- a elite sindicalista, que vive às custas dos trabalhadores, mas segue apoiando o governo que mais desemprego criou na história do país;
- a elite de mega-empresários corruptos, sustentados pelo BNDES. 
E depois de ter sido eleita com um golpe e de ter sido destituída honestamente, seguindo todas as determinações legais, a elite não aceita a determinação da justiça e das instituições democráticas. E segue pregando o golpe. Agora tenta usar a violência e ameaças para tirar do poder um governo que busca pagar as dívidas que as elites criaram. A elite não aceita perder as benesses, os subsídios, o luxo que o estado sempre bancou para eles. 
Que o povo brasileiro não aceite mais um governo que só queira atender os interesses das elites. Precisamos de um governo que olhe para o povo pobre, que gere empregos decentes, que apoie uma economia que distribua riqueza e que não se submeta à elite que sempre quer mais do estado para si.

Leia também
Marxismo: a ideologia reacionária que leva o mundo para trás
Esquerda usa as "minorias": gays, mulheres, negros...
A pior religião da história
Marxistas: seres do mal
Eles são o mal, o lado negro da força!
Por que o socialismo não dá certo?
O grande "legado" da esquerda ao Brasil!
As misérias de Marx



quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Marxismo: a ideologia reacionária que leva o mundo para trás

As sociedades humanas sempre se caracterizaram por uma elite cheia de privilégios, que se acha superior, que controla a grande maioria da população. Foi assim nas tribos, nos feudos, nos impérios, nos reinos. Essa elite sempre usou desculpas absurdas como serem superiores, serem divinos, etc.
Mas a sociedade construiu um novo saber. Os gregos desenharam a ideia da democracia, que por milênios foi sendo expandida, deixando de ser o governo de representantes de alguns, para ser de todos, independentemente de raça, credo, sexo, etc. Essa visão tomou força com a revolução francesa, que colocou os três pilares: liberdade, igualdade, fraternidade. Com a liberdade sendo sempre o primeiro - e mais importante - pilar.
Mas sempre há, no mundo, os reacionários, aqueles que renegam qualquer progresso. E logo após a revolução francesa, apareceu um filhinho de rico, que se achava "intelectual", totalmente irresponsável financeiramente, que nunca trabalhou e viveu sustentado pela esposa aristocrata, torcendo explicitamente para que os parentes dela morressem e deixassem a herança para ele. Apesar de dever tudo à esposa, o desprezível a traiu, com uma empregada (sim, ele explorava uma trabalhadora até sexualmente!) e deu o filho bastardo para outro cuidar. De tão arrogante e insuportável, tinha pouquíssimos amigos em vida, tendo tido apenas 11 presentes em seu enterro. Ele foi um pai horrendo, sendo que dos sete filhos, quatro morreram ainda crianças e duas se suicidaram. Essa pessoa má, preguiçosa e arrogante, que nunca conviveu com pobres, se achava "superior" a ponto de definir o que os pobres precisavam sem entendê-los. Ele desenhou uma "pseudo-filosofia" totalmente reacionária, que pregava justamente a volta ao passado, a colocação de uma "elite intelectual superior" (como ele mesmo se achava) ao invés da democracia onde o povo pode escolher seus governantes. Apesar desse conservadorismo, de sua vida repugnante, Marx foi o conservador mais influente do último milênio. Ele, e depois todos os seus "seguidores", sempre usaram a mentira como base: usam o "povo" para justificar tirar o poder do povo, acabar com a democracia. Usam o argumento da liberdade para extirpar toda a liberdade. Usam a igualdade para justificar o poder e o luxo para a elite que eles querem ser. E abolem a fraternidade.
O fato é que o mundo já experimentou um lugar onde liberdade, igualdade e fraternidade existe. Um lugar onde o principal valor é a liberdade, onde o povo não aceita, jamais, um governo totalitário. Um lugar onde a igualdade universal de direitos é valor que foi conquistado pouco a pouco ao longo dos séculos, mas que hoje é inquestionável. E um lugar onde fraternidade é a base da sociedade, onde ONGs, grupos sociais os mais variados, sempre se organizam buscando apoiar os menos favorecidos: esse lugar é os EUA (leia este post e entenda mais o que quero dizer). Como é impossível questionar o sucesso da democracia e liberdade dos EUA, os Marxistas estão há um século tentando, com um marketing totalmente mentiroso, acusar os EUA de tudo de ruim: imperialistas, anti-democráticos, etc. Os EUA nunca tiveram uma colônia, como podem ser imperialistas? Foi a União Soviética, a maior experiência socialista da história do mundo, que controlou com um exército brutal todos os países em volta! Nos EUA, democracia e liberdade são valores absolutos: como podem aqueles que defendem ditaduras atrozes criticá-los? Já comentei neste post que a história prova que Marxistas jamais foram a favor das mulheres, dos gays, da igualdade racial, mas eles usam esse discurso apenas para chegar ao poder e tirar os direitos desses e de todas as outras minorias, como podemos ver em Cuba, onde uma pequena elite branca mantém uma população negra na miséria sem nenhuma democracia.
A hipocrisia marxista é tão grande que enquanto a igreja católica era contra os Marxistas, eles eram contra igreja. Agora, com a igreja controlada por eles, eles são "religiosos". Aqueles que se diziam contra igreja, são agora a ideologia dominante nas ditaduras religiosas mais totalitárias do mundo...
A verdade, a única real verdade, é que os Marxistas usam marketing como ninguém. Marketing totalmente mentiroso, mas que engana muita gente. Como quando colocaram os seus seguidores, Hitler e Mussolini, como sendo de "extrema direita": não precisa ser muito inteligente para entender que Nazismo e Fascismo são claramente inspirados no Marxismo e nada tem do liberalismo e da liberdade que caracterizam a oposição à Marx, tão bem representada pelos EUA (se tem alguma dúvida, veja o vídeo abaixo). Os marxistas também se autodenominam "progressistas", embora sejam reacionários conservadores que jamais aceitaram a liberdade, igualdade e fraternidade e querem se manter como uma elite no poder, tal como era na época dos reis e senhores feudais. E vivem apontando "os preconceitos e diferenças" no capitalismo, apenas para que possam, no futuro, impor seus preconceitos e ter direito de ter privilégios só para seu grupo, sem jamais serem ameaçados nem por uma eleição...




Acredito que essa mentira não pode mais continuar. E por isso resolvi ativamente denunciar toda essa construção falaciosa. Marxistas são pessoas más, arrogantes, que se acham superiores e não toleram a ideia de um governo escolhido livremente pelo povo. Marxistas nunca quiseram igualdade, marxistas só querem o poder e o luxo para eles, explorando um povo miserável que não poderá reclamar porque as "leis da revolução não permitem". Marxistas fazem o mal, sequestram, roubam, matam, mas usam o discurso de que "são o bem" e que "o fim justifica os meios" para limpar suas consciências e seguir fazendo ações egoístas e sem ética, fingindo pensar nos outros. Marxistas são como Marx, Hitler, Mussolini, pessoas de péssima índole, mas que mentem muito bem e que usam o marketing para convencer os outros que são o que nunca foram e seguir com suas atrocidades.
O mundo descobriu que grandes revoluções se fazem com respeito, amor ao próximo, fraternidade. As maiores conquistas no século XX foram com os pacíficos Gandhi, Mandela, Luther King. Mas os marxistas continuam dizendo que só com ódio, violência, mortes é que se consegue algo. Eles estão certos: é só com ódio que se consegue implantar uma ideologia cruel que os colocará no poder.
Está mais do que na hora das pessoas de bem do mundo colocarem o Marxismo no devido lugar: se fascismo e nazismo foram banidos do mundo, pelas atrocidades que cometeram, a maior inspiração deles, a ideologia mais cruel de todas, a que mais matou em toda a história da humanidade, e a que fez mais países andarem para trás em desenvolvimento social e econômico, também deveria ser proibida em todo o planeta. Porque o mundo só anda para trás com esses reacionários, porque eles pregam o ódio e o assassinato, porque não gostam de pessoas, não respeitam a diferença, só querem o poder absoluto em suas mãos e fazem o que for preciso para isso...
Os marxistas querem o atraso, a pobreza, e lutam de todas as formas para prejudicar o capitalismo, pois sabem que o capitalismo, sem eles atrapalhando, é incomparavelmente melhor para os pobres (falo mais sobre isto neste post). Por isso, eles lutam de todas as formas para criar o caos, apoiando tudo o que é errado, os bandidos, os traficantes (no Brasil, só para dar um exemplo, eles ajudaram a criar o Comando Vermelho, como pode-se ler neste link), as drogas, e demonizando as polícias e os exércitos. Nos sindicatos, atuam para inviabilizar as empresas e criar desemprego, mentindo e manipulando os trabalhadores (vejam este link). Eles apoiam e estão alinhados com todas as ditaduras islâmicas, que tratam mulheres como coisas e matam quem não pensa como eles. Eles não querem um povo culto, porque um povo culto entenderia que as "pregações deles" são mentiras: queimaram livros na China, "reescreveram" a história na URSS e estão fazendo de tudo para piorar a educação básica por aqui, tentando agora eliminar o ensino de toda a história clássica de nossas escolas, só para dar um exemplo.
Marxismo, socialismo, comunismo, nazismo, fascismo: são os reacionários que não querem ver o mundo livre e democrático crescer, criando mais oportunidades, conforto e desenvolvimento à todos os humanos. São o atraso, a pobreza e o fim da liberdade.

O mundo tem três tipos de pessoas
Aquelas que estão felizes com pouco e curtem uma vida sem stress
Aquelas que querem mais e lutam muito para merecer o que sonham
E aquelas que querem tudo, mas não querem se esforçar:
esses últimos são os Marxistas.

Marxistas criticam a meritocracia
Porque, por mérito, eles não tem valor algum!

"Acuse os adversários do que você faz,
Chame-os do que você é " (Lenin)
É por isso que os marxistas sempre acusam quem quer o progresso e um mundo melhor
de ser conservador e reacionário

Leia também
Esquerda usa as "minorias": gays, mulheres, negros...
A pior religião da história
Marxistas: seres do mal
Eles são o mal, o lado negro da força!
Por que o socialismo não dá certo?
O grande "legado" da esquerda ao Brasil!
As misérias de Marx


E também
Gandhi: um filme incrível sobre uma pessoa extraordinária
Eu tenho um sonho

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Bom programa: Catavento Cultural e Educacional

A linda fachada do Catavento
Em algumas viagens ao exterior tive a oportunidade de visitar museus de ciência: lembro de um muito bom em Kobe-Japão e de um fantástico em Boston-EUA. São museus interativos, cheios de atividades para todas as idades e com demonstrações fantásticas. Acho importante esse tipo de museu, porque desperta nas crianças o interesse pela ciência, pela prática científica, mostrando que física, química, informática, etc. são coisas legais. E mostra para os adultos o quanto ainda temos que aprender. Sempre me perguntei porque não temos um museu desses no Brasil.
Mas no último mês tive uma grata surpresa. Graças a indicações de amigos fomos ao Catavento Cultural e Educacional, no centro de São Paulo. Acho incrível como uma atração como essa tem tão pouca divulgação na mídia do Brasil. E, mesmo assim, é o museu mais visitado do país. O museu fica no belíssimo Palácio das Indústrias, construído para ser residência dos Matarazzo e que foi, por muito tempo, sede da prefeitura de São Paulo. Nas redondezas, pontos interessantíssimos, como a catedral da Sé, o pátio do colégio e o mercadão municipal (aproveite para comer um sanduíche de mortadela na saída).  Muitos ônibus e estações de metrô por perto e estacionamento para carros no próprio terreno do Catavento dão toda a praticidade ao acesso. Ainda no pátio, atrações incríveis, como uma casa feita para dar ilusão de ótica, um comunicador de som à grandes distâncias que só usa conchas metálicas sem fio ou eletricidade, um modelo de uma ancestral dos humanos e várias antiguidades, como carroças de limpeza, locomotivas de várias épocas e até um avião onde as crianças podem embarcar.
A placa na entrada do Catavento
Lá dentro do museu tem muita, mas muita coisa legal. Astronomia, biologia, física, química, ótica, magnetismo, sobre tudo. Não vou falar das atrações, uma a uma, porque são centenas e são super-legais, para todas as idades, desde pequenos até idosos. Mas além das atrações livres, tem ainda atrações que precisam ser agendadas (sem custo, mas com limitação de duas por período): são imperdíveis as simulações de submarino e de nave espacial, o laboratório de química e o estúdio de TV. 
Tudo isso com um ingresso muito barato, que chega a ser gratuito em alguns dias. Não deixe de visitar essa grande atração da cidade de São Paulo, principalmente se você tem crianças para levar. Tente reservar mais que um dia, porque em um dia não é possível conhecer tudo. E dê preferência para um fim de semana de feriado ou dias de semana, porque lá lota mesmo.
consulte o link do Catavento,
E para você que é diretor ou professor de escola, pense em agendar seu próximo passeio no Catavento: é um lugar onde toda criança deveria ir!

Para mais informações sobre o Catavento, clique aqui


Veja também
Zooparque Itatiba

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Imagine uma cidade...



Imagine uma cidade grande, muito grande, e muito densa. Mas uma cidade que reservou boa parte do seu território, bem ao centro, para um parque, muito arborizado, com uma centena de atrações para todo o tipo de interesse, incluindo museus fantásticos, gramados onde jovens tomam sol e crianças correm, 21 playgrounds para menores, imensas pistas para bicicletas, quadras de esporte, etc., tudo com acesso livre, para onde todos vão aos fins de semana, ao invés de shoppings.
Imagine uma cidade de milhões de habitantes que fornece água mineral para seus habitantes, graças a uma ação conjunta entre governo e fazendeiros da região para preservar todas as fontes de água naturais intactas. 
Imagine uma cidade onde pessoas de todas as origens, cores e línguas convivam em harmonia. Onde se vê em uma única praça, um hindu com seu turbante, muçulmanas de burca, judeus ortodoxos, loirinhas com shorts sumários, indianos, asiáticos, negros e latinos, falando todas as línguas do mundo. Onde um evangélico prega que Jesus está chegando ao lado de uma mulher de top less cobrando para que se tire uma foto ao seu lado. Como é lindo ver os humanos respeitando os outros dessa forma.
Imagine uma cidade que cobra poucos impostos dos seus cidadãos. Onde os pobres não precisam dar muito para o governo. Mas onde muitas coisas são doações dos mais ricos, para o bem comum. Imagine uma cidade onde os playgrounds das crianças, os parques, museus, algumas escolas e mais um sem fim de bens públicos são oferecidos e reformados gratuitamente pelos mais ricos em gratidão à cidade em que vivem.
Imagine uma cidade onde não se precisa usar carro. Onde há ciclovias demarcadas em boa parte das maiores avenidas e há metrô disponível para todos os cantos. Uma cidade onde transporte público é realmente levado a sério. Mas onde quem prefere ter seu próprio carro e arcar com os custos de engarrafamentos e estacionamentos seja respeitado.
Imagine uma cidade para onde qualquer pessoa, de qualquer parte do mundo, que queira uma vida digna através do trabalho, queira imigrar. Uma cidade onde a primeira pessoa que você encontra é um paquistanês, motorista de táxi de dia, que estuda engenharia elétrica à noite e tem tudo para ter uma vida muito melhor do que toda a família que ficou em seu país. Uma cidade onde faxineiras e qualquer outro profissional, por mais simples que sejam, ganham o suficiente para uma vida digna para eles e sua família.
Imagine uma cidade que oferece comida de graça para os jovens que forem às escolas e bibliotecas durante as férias, para motivá-los a seguir aprendendo.
Imagine uma cidade 24h: onde você pode comprar há poucos metros de sua casa, o que quiser, a qualquer hora do dia ou da noite.
Você pode dizer que eu sou um sonhador, mas não sou o único. E o próprio autor da música que eu estou parafraseando, também entendeu isso. E veio morar aqui, nesta cidade fantástica, que está muito além da imaginação: New York.