sexta-feira, 18 de novembro de 2011

SindicHatos: inacreditável!

O sindicHato convenceu as professoras a não dar aulas em uma greve sem sentido. Sem sentido porque nem é a hora do reajuste (data-base), todos tem salários muito acima do mercado, tiveram aumentos acima da inflação em todos os anos, tem estabilidade no emprego, etc. e tal. Quer dizer, a greve tem sentido: o sindicato acabou de ser eleito e quer mostrar "serviço", politiqueiramente falando... E há um mês crianças do infantil, de 2 a 6 anos, estão sendo cuidadas como possível pelos poucos professores responsáveis que não concordaram com esse absurdo e por estagiários.
Nesse contexto, eu presenciei uma das cenas mais bisonhas que eu já vi na vida. A perua do sindicHato parada em frente a escola dizendo que a direção era irresponsável por deixar as crianças sendo cuidadas por estagiários. Me pergunto, é a direção que é irresponsável ou são eles? Mas vamos em frente, porque a história é mais bisonha que isso.
Passando pela perua do sindicHato estava uma professora, da chapa eleita do sindicato, com sua filha no colo. E sabe o que ela fez? Levou a filha para a escola, deixou ela lá e saiu da escola, porque estava em greve! Isso mesmo, você entendeu! A professora membro do sindicHato deixou sua filha na escola que segundo o próprio sindicHato, em discurso no mesmo instante, era irresponsável por atender as crianças com parte dos professores em greve. Se a escola é irresponsável por atender as crianças, o que podemos falar da mãe de uma delas que concorda com o sindicHato e deixa sua filha lá? Aliás, se a distinta senhora não está trabalhando, está em "greve", qual o motivo de não poder tomar conta de sua filha?
Gente, como educador, como pai e com cidadão, não tem como não ficar indignado com tamanho absurdo, feito por pessoas que se dizem "conscientes". É triste ver em que os sindicHatos se tornaram!

Veja também:
- Eles são o mal!
- Que tal trabalhar para ganhar?
- Salário ou responsabilidade?
- Greve nos transportes
- Greve ou férias II: o absurdo dos sindicalistas
- Greve ou férias?

Nenhum comentário:

Postar um comentário