sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Eleição em Santos: 2012 ou 1988?

Santos foi uma cidade que sofreu muito na ditadura. Conhecida no final dos anos 60 como "cidade da resistência" por sua luta contra os militares, teve o direito de votar em prefeito subtraído sob o argumento de ser "de segurança nacional". O último prefeito não eleito, definido pela ditadura militar, foi o muito ruim Paulo Gomes Barbosa.
Em 1984, enfim os santistas puderam voltar a ter um prefeito eleito. Tinham duas opções do MDB, opção aos militares tão odiados: um, mais progressista, o Rubens Lara, que depois virou PSDB e outro mais conservador, o Oswaldo Justo. Venceu o Justo, que fez um bom governo, bem melhor que o dos prefeitos escolhidos pelos militares. Mas que não foi uma grande revolução.
Após o Justo, Santos resolveu ser mais ousada e escolheu a PTista Telma de Souza, que assumiu em 88. Foi uma das primeiras mulheres e um dos primeiros PTistas a assumir uma grande prefeitura. Telma fez um belo governo. Tanto, que a grandemente conservadora população da cidade só conseguia criticá-la por fofocas associadas à questões pessoais. A Telma só errou ao aceitar a imposição do PT e definir como candidato a sua sucessão o não santista Capistrano, que não conhecia a cidade e não tinha o menor interesse em fazer a minha terra progredir. Seguiram-se 4 anos de um governo horrível, cheio de escândalos e que conseguiu o feito de desfazer muitas boas coisas que a Telma tinha feito. O Capistrano desfez os progressos da Telma e, por tabela, desiludiu Santos com o PT.
Com o governo terrível do Capistrano, Santos resolveu radicalizar para o outro extremo: e votou em um radialista do partido do Maluf. Ok que o PT tinha pisado feio na bola com o Capistrano, mas também não precisava exagerar, né? Bom, Beto Mansur foi a pá de cal nos progressos da minha terra. Foram 8 anos com ele e mais quatro com o Papa, que era seu vice: governos ligados aos grandes empresários da construção civil e nada comprometidos com a qualidade de vida e as questões sociais. Trágico.
Agora seria a hora de Santos renovar, pensar diferente. Mas fui ver quais os candidatos e, que profunda decepção! Parece que Santos parou no tempo e só olha para o passado. Os três candidatos com chances são:
- o candidato que lidera com folga é o candidato do PSDB. Quando vi isso, até fiquei feliz. Mas quando vi o nome do tal candidato, quase chorei: Paulo Alexandre Barbosa. Caracas, conterrâneos, vocês estão votando no filho do prefeito não eleito, escolhido pelos militares? E, PSDB: como pode, vocês que eram a esquerda do PMDB, que tanto lutaram contra a ditadura, escolher um nome desses para se candidatar a prefeito? Não acredito que minha terra vai eleger o filho de um prefeito horrível, um filhote da ditadura!
- o Beto Mansur, que já fez muita coisa ruim em 8 anos de governo, é novamente candidato. Ah, não, mais 4 anos de um governo de um Malufista não dá, né Santos?
- e a Telma de Souza é outra. Caramba, Telma, não chega de tentar voltar não? Você fez um bom governo, mas os santistas jamais vão te perdoar pela tranqueira que você colocou para lhe suceder. Além do mais, se antes havia uma esperança com seu partido, de ser mais social e ético, depois do Lula, do Mensalão e de tantas coisas que nos decepcionam, dia após dia, o PT deixou de ser um partido progressista. E virou uma coisa tão questionável ideológica e eticamente como é o PSDB, só que muito menos competente! Depois do Lula, Telma, o PT como ideologia acabou!
Por que em Santos não aparece nenhuma opção política mais progressista, moderna, diferente? Por que minha terra está parada politicamente há 30 anos? Por que meu povo resolveu votar em um filhote da ditadura e como o PSDB resolveu transformá-lo em seu candidato? São tantas perguntas que não terão respostas e uma única certeza: seja quem for que for eleito, não será digno de Santos.
Pois é, meus conterrâneos precisam sair desse conservadorismo e pensar em coisas novas. Pois as velhas já mostraram que não servem para a cidade!

Veja também:
Uma cidade, linda cidade, a minha cidade: viva Santos
Santos - uma linda cidade e uma grande história
Viva o Carnaval, viva o Brasil!

E também:
Eleição em Campinas
Eleição em Campinas - votar em quem?
Bola prá frente, Campinas!
Vereadores de Campinas valem ouro!
Pela decência na política campineira: fora Demétrio
o porquê do impeachment em Campinas
A triste política campineira

Eleição em São Paulo
Maluf, Haddad, Marta Suplicy e Lula: não dá para v.otar nisso
Eleição em São Paulo - Haddad é o pior!
Lula considera os paulistanos burros?
Lula + Maluf = Haddad - Erundina: nojo!
Coitados dos paulistanos - é só prefeito ruim!

2 comentários:

  1. O fato do pai do atual prefeito ter sido escolhido por militares da tão falada ''ditadura'' não o desabona em nada. Como prefeito foi bom. E o Capistrano, a quem voce chamou de tranqueira, nada mais fez do que pegar uma cidade mergulhada no caos. Porque ele certamente não sabia da situação financeira da cidade. Foi enganado por Telma e pela equipe dela. O PT não tem mais chance em Santos, ainda bem! Depois de ter destruido a CSTC e a Prodesan, que eu vi de perto, com os caminhões caindo aos pedaços de tão velhos, o PT caiu em desgraça na cidade.

    ResponderExcluir
  2. Telma e Capistrano foram uma versão municipal de Lula e Dilma respectivamente... Telma saqueou a prefeitura e o Capistrano levou a culpa, mas o povo de Santos é inteligente e não engoliu o David como boi de piranha, se ligou que o buraco era mais embaixo.

    Aqui o PT e qualquer partido de extrema esquerda não entra! Vai continuar essa esquerda fabiana, mas por falta de opção, agora PT e congêneres eu tenho plena certeza de que nunca mais se criarão! A maior prova disso foi o palhaço do Stanislau ter levado uma surra junto com o Paulo Schiff na eleição passada.

    ResponderExcluir